“Quem traz na pele uma marca (…)Maria, Maria”

*Camila Balsa

Neste último dia 29, aniversário de Curitiba, resolvi ir até a reinauguração da Feira do Poeta, vinculada à Fundação Cultural de Curitiba e pertinho daquela parte da feirinha do Largo da Ordem em que vendem livros, antiguidades e, bem, outras gostosuras como pastéis, batatas e coxinhas. Como promessas apetitosas, a feira que havia ficado fechada por 12 anos, terá encontros, lançamentos, declamações e performances. Como a maioria das inaugurações, as pompas não deixaram sentir o gostinho de como o espaço será aproveitado exatamente. Mas foram esses protocolos que me trouxeram a feliz oportunidade de visitar a bela exposição na Casa Romário Martins (espaço localizado ao lado da Feira do Poeta, Largo Coronel Enéas, 30, Largo da Ordem – São Francisco).

A Casa Romário Martins recebe o nome do historiador que atribuiu a data de 29 de março como o aniversário da cidade e, agora, abriga o retrato de um acontecimento, ocorrido na cidade, quase desconhecido: o caso de uma mulher parda e pobre do século XIX, que recusou acatar as ordens de duas mulheres da elite curitibana da época, ambas casadas com políticos. Na antiga região de Tindiquera (atual município de Araucária), as mulheres se dirigiram à Maria Águeda, ordenando que ela pegasse brasas na saída da missa, para que pudessem aquecer os pés. Contrariando as expectativas, Maria disse não. E esse mesmo “não” fez a mulher parda, pobre e grávida ir presa.

Esse é apenas um tira-gosto da história lindamente retratada no evento gratuito (maisinformações no final deste texto). Pessoas de várias áreas participaram da produção (história, arquitetura, sociologia, artesanato, antropologia, música, design, produção visual etc). Também é um ambiente legal para crianças — há muitos textos, mas também a simulação da prisão de Maria e várias outras belasobras de artes visuais. E a cereja do bolo deste projeto é a petição pública, que recolhe assinaturas para que algum monumento da cidade receba o nome de Maria Águeda.

Maria é a expressão do incômodo que uma voz pode causar. Em tempos que as discussões de gênero, classe e raça estão se ampliando politicamente, a reflexão sobre a raça e a gana de Maria, no século XIX, faz com que vislumbremos a necessidade de mantermos sempre acesos os diálogos e as oportunidades para que eles aconteçam. Uma história que precisa ser contada para que todas e todos possam também dizer não a quem acha que pode mandar. Experimentemos.

Ingresso: gratuito

Data(s): 02/11/2014 a 30/04/2015 – 3ª, 4ª, 5ª e 6ª feira, sábado e domingo

Horário(s): De terça a sexta-feira: das 9 às 12h e das 13 às 18h; sábado e domingo: das 9 às 14h.

Realizadores:

Magnus Roberto de Mello Pereira – Professor do Dep. de História da UFPR.

Ana Lucia R. B. da Cruz – Jornalista, Doutora em História pela UFPR, Pesquisadora em História pelo CEDOPE (Centro de Documentação e Pesquisa de História dos Domínios Portugueses).

José Augusto Leandro – Professor de do Dep. de História da UEPG.

* Camila Balsa é formada em Direito pela Unicuritiba e mestranda em Antropologia pela Universidade Federal do Paraná.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *