Stand by me

Perdi 20 em 29 nove amizades carregando pedras em minhas mãos. Nascido entre a sessão das dez e a sessão da tarde. Saudades da primeira namorada no portão da escola. Ex-amores e ex-amigos. “Onde está você agora além de aqui dentro de mim?” Doces me atraíram para o lado do crime. Roubei as joias de meus pais para comprar frutas na feira. Deixei minhas impressões digitais e o coração em algum boteco entre a São Francisco e a Trajano. As memórias tatuadas no corpo, uma rosa para cada amor, um espinho para cada beijo. Se pudesse entender teria ficado ao meu lado e me feito feliz. Ao menos me esperado voltar do trabalho. Mas nós dois não temos talento pra mocinha e bandido. Meus casos nunca foram épicos. Disparei contra os titãs. 9 MM. Anticristo superstar ou um rubro zorro. Me ajoelhei e rezei na encruzilhada que nos conhecemos. Se eu fosse deus você seria louca. Minhas vinte e 9 vidas desperdiçadas em noites de lua cheia. Entre vampiros e lobisomens. Mistérios da meia-noite. Upgrade metralhadora alemã ou de Israel. Um charme bandoleiro. Posso ser obsceno e até um pouco cruel se for chamar sua atenção. Tudo que é meu guardo trancado a sete chaves emprestadas por meus irmãos, em um quarto iluminado por uma lanterna laranja. Presentes para te dar feitos a mão. Se eu soubesse que fosse entender te pediria “fique”. Segui seus passos e não consegui aprender a música que assobiava. Mas sei tudo sobre nós dois e o destino do universo nas próximas 72 horas. Profecias econômicas. As projeções e tendências no mercado de carnes. O terceiro mundo vai explodir e quem tiver de sapato não sobra. Continuo péssimo em despedidas. Nunca mais tive 29 amigos outra vez.

Luiz Belmiro Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *