Universo unidimensional

*Por Moysés Pinto Neto

O que vamos assistindo é o despedaçamento da inteligência em nível social e o jogar nas margens quem ainda ousa pensar. É uma sociedade burra, que não sabe fazer nada além de ~curtir~ e ~descurtir~, mobilizando seus afetos de raiva contra todos os signos que não correspondam à sua bolha algorítmica. A capacidade de interpretação é totalmente perdida, o mundo vira uma superfície unidimensional em que tudo só carrega um sentido: o de indicar como se deve agir. Tudo vira pedagogia rasa nas guerras culturais.

No universo unidimensional do sentido único, a arte é “incentivo a __”, como se o artista estivesse lá com a pretensão de dizer a regra. Ainda me lembro do debate, alguns anos atrás, quando uma desembargadora ativista defendeu a censura da música da Bidê ou Balde por incentivo à pedofilia, como já acontecera, por motivos análogos, com Racionais MCs e Planet Hemp.

Evidentemente, uma área como a arte, a mais polissêmica e multidimensional de todas da cultura, seria a primeira a ser assassinada numa sociedade de ignorantes que não conseguem entender o que é uma paródia, uma ironia ou qualquer coisa que escapa do sentido literal — além de viciados no complexo persecutório de que todo mundo é potencialmente um inimigo oculto. Por isso, não entendem que uma exposição que vende fotos da violência da Olimpíada sobre as favelas é uma ironia à mercantilização da morte ou que as mulheres que vão na Marcha das Vadias não são vadias no sentido estrito, mas querem transvalorar o termo para afirmar a liberdade sobre seus corpos, ou que não necessariamente alguém que escreve alguma coisa está dizendo exatamente o que está escrito. A metalinguagem, a escada infinita com que joga a inteligência, é o que está morrendo. Parece que só restarão superfícies de um lado só na pobreza do mundo moralista dos escrachos e repúdios.

Vivemos na era dos filmes dos irmãos Coen, em que a burrice — embora continue a mesma de sempre — consegue se encadear em rede, provocando eventos catastófricos e insólitos. Ainda não sabemos bem como reagir a isso, a não ser fazendo textões que nenhum dos ignorantes irá ler de qualquer modo.

*Professor na Universidade Luterana do Brasil

Texto publicado originalmente no Facebook e reproduzido aqui com permissão do autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *