As críticas ao PT

*Por Andrea Caldas

Quando faço críticas aos governos do PT – não obstante, seus avanços- entendo que os partidários pululem a me condenar por estar, supostamente, fazendo o jogo da direita.

Sei que para muitos Lula é última esperança e, de verdade, entendo.

Mas, para mim não é.
Mesmo como petista por 26 anos nunca foi.
Sempre acreditei nos programas e nos movimentos sociais organizados.
Sempre critiquei, mesmo filiada, as concessões e recuos.
Ainda que, em alguns momentos, tenha defendido alianças com partidos burgueses, talvez ingenuamente, por acreditar que isto nos facilitaria a execução do programa que defendíamos.

Entendo que nosso papel na esquerda é fazer avançar e para isto não podemos nos estagnar na mitificação de líderes ou no pragmatismo da governabilidade sem programa.
Governabilidade é necessária, alianças são necessárias, mas não podem ser o fim em si mesmo.

Ainda assim, nunca preguei voto nulo e e mesmo já desencantada com o lulismo defendi o voto em Dilma – publicamente e de forma militante- em 2014.

Mas, não abrirei do meu direito à crítica como cidadã e, especialmente, como professora de Políticas Educacionais (por 25 anos) que tem o dever de honestidade intelectual e política com os estudantes.

Vou criticar todos os recuos. Vou analisar os números que nos mostram que a sangria de dinheiro público para as instituições privadas não começou depois do impeachment, embora, tenha sido agravada por ele.
Vou lembrar que mudanças estruturais que dependiam do Executivo deixaram de ser feitas – e que perdemos oportunidades que, talvez, não voltem.

Alguns acreditam que a força da esquerda se fará por adesão massiva.
Outros, como eu, acreditam que a crítica e auto-crítica é que nos mantém como força vital e transformadora capaz de disputar corações e mentes.

Acredito que a História reserva espaço para todos nós e sempre nos encontraremos nas trincheiras fundamentais.

Hasta siempre!

Andrea Caldas é professora e diretora do Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná.

Texto originalmente publicado no Facebook e reproduzido aqui com permissão da autora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *