Sobre a legitimidade da nossa greve

Por Júlio César Gonçalves da Silva*

É importante frisar: o capitalismo nada mais é do que um sistema de exploração do trabalho. Tudo, absolutamente tudo, que ocorreu de melhoria na vida dos trabalhadores na sociedade capitalista foi produto das lutas sociais da própria classe trabalhadora. Se dependesse do capitalismo, os trabalhadores fariam jornadas de 16 horas por dia e ganhariam um salário que mal daria apenas para alimentação do próprio trabalhador, obrigando inclusive as crianças a trabalharem para complementar a renda familiar e garantir a própria sobrevivência. Era assim no começo do capitalismo.

Tudo, absolutamente tudo, o que os trabalhadores possuem de direitos hoje (limite na jornada de trabalho, férias, 13º salário, saúde e educação pública, aposentadoria, etc.) foi produto das nossas lutas. Sem fazer greves, manifestações, enfrentar a polícia, etc., estaríamos vivendo como no começo do capitalismo. Então, com exceção aos lock outs, que são greves políticas organizadas pela burguesia para desestabilizar um governo que representa os interesses dos trabalhadores, toda greve é legítima. Se os trabalhadores não recorressem à luta social e às greves, não existiria sequer escola pública para que estudantes fossem prejudicados por uma greve nesse setor. Então, é ilógico dizer que a greve prejudica estudante. É ideologia burguesa, é manipulação das mentes dos trabalhadores pela classe dominante, em estado bruto. Não podemos aceitar esse discurso. Precisamos ter nossa própria forma de pensar. Read more about Sobre a legitimidade da nossa greve

É SEGREDO

Por João Maurício * Aceito o convite, era tempo de pensar no presente. Presentes, sempre uma árdua tarefa. Para além da vontade de agradar o sentido. Mas como sempre, sem inspiração, o projeto fica suspenso. “Uma flor, talvez?”. Presente simples e singelo. Agradaria, ao menos, quem presenteou. Mas, ainda vivemos em tempos de flores? Passado […]

Memórias do 29

*Por Renato Gonçalves

Eu não estava presente
na praça Nossa Senhora de Salete
no dia 29 de abril,
mas eu vi o massacre.

Vi o massacre nos olhos,
Vi o massacre nos rostos dos amigos que lá estavam.

Eu não estava presente,
mas senti o massacre.

Read more about Memórias do 29

Minha vida não cabe na mochila

Por Simone Frigo * Eu nunca entendi essas pessoas que conseguem ter o desapego de realmente levar a casa, a vida em uma mochila. Admiro com uma pitada de receio, mas não entendo. Tem aquelas que conseguem reduzir todos os seus objetos, fazendo-os caber em uma mala. Mas falo não só do desapego das coisas […]

O Consenso da Austeridade

*por Bernardo Pilotto Logo após os atos do dia 15 de março, escrevi um texto para este blog falando da remota hipótese de uma composição entre PT e PSDB. Essa união teria como objetivo a aplicação dos planos de austeridade econômica no Brasil e seguiria uma aliança que aconteceu em vários países da Europa. Naquele momento, […]