A aula foi dada magistralmente

*Por Angela Alves Machado

11_02_2016_00_23_07

 

 

 

 

A aula foi dada magistralmente

O jogo é duro
o embate inevitável
não se ganha sempre,
também se perde,
e a perda não significa derrota
ela faz parte do movimento social.
Talvez aprendamos mais com a perda
Do que com as vitórias.
Desta forma pode-se ganhar uma batalha e perder duas outras,
isso não significa que se perdeu a guerra,
a guerra pode ser de movimento ou de posição,
coletiva e/ou individualmente cotidiana
e em nosso caso armada de livros,
sentimentos e razão!
O que importa professores,
é que quando voltamos à sala de aula
retornemos todos de cabeça erguida,
pois nada de errado fizemos
além de defender nossos direitos
exercitamos com orgulho nossa cidadania
demos uma aula política em praça pública
para o estado e para o país,
para as pessoas, famílias, alunos e instituições
mas principalmente para nós mesmos.
Num lugar adequado como um Centro CÍVICO
que ficará para sempre manchado de sangue,
bombas, balas e cassetetes.
Podem até ter nos ferido externamente
mas internamente saímos ainda mais fortalecidos
unidos e politicamente conscientes.
Exigindo apenas o justo
ampliamos o grau de solidariedade social a nossa causa.
Definitivamente desnudamos o rei preboste,
e muitos parlamentares cúmplices do desmonte do que resta do estado,
desmoralizados devem estar os mandatários e executantes das atrocidades
nunca nós!
Nós apenas exigimos o direito constitucional de livre manifestação e
organização.
Quando se invadiu a assembleia tomou-se o céu naquele momento
e sentimo-nos purgados e extasiados.
Agora ao voltarmos conhecemos de perto o inferno da repressão policial
que certamente nos assustou muito e nos abalou profundamente
frente a covardia do ataque.
No entanto tudo na vida é um aprendizado
Portanto, levantemos a cabeça companheiros da educação!
Naquela aula em praça pública ensinamos toda sociedade,
Mas aprendemos muito também na ação coletiva,
Assim, que nossa raiva e mágoa pessoal
se torne indignação política e social permanente!
Que nossas feridas cicatrizem por meio da conscientização cotidiana dos filhos
dos trabalhadores!
Que nossas divergências políticas e pessoais se tornem unidade na luta!
Nossas lágrimas se tornem formas de humanização no interior da escola!
Nossas dores e gritos em mais solidariedade e companheirismo!
Nossos medos em mais destemor!
Nossa perda em orgulho de classe!
O quadro negro em painel de denúncias!
As balas em flores do conhecimento universal!
As bombas de gás em explosões de ciência e criação!
Nossos alunos aprenderão a nos respeitar mais,
pois mostramos para mundo o quanto temos coragem,
propósito, perseverança e união!
Não sairemos cabisbaixos deste inferno que conhecemos,
mas sim orgulhosos de nossos atos,
por ousarmos exercer nossa cidadania
roubada cotidianamente de todos nós
pelas malhas do capital e seus raivosos serviçais!
A aula foi dada magistralmente

Read more about A aula foi dada magistralmente

Tudo que é justo lhes ofereça resistência

*Por Douglas Rezende Por mais de 2 horas ininterruptas sentimos o cheiro de pólvora e gás, ouvimos o barulho das infinitas bombas que caiam por todos os lados; ouvimos os gritos que eram de medo, os gritos que eram de raiva, de dor e ainda os gritos que ficaram em silêncio, que não conseguimos lançar […]

Meu herói … tomou um tiro na cara

*Por Bernardo Pilotto

bernardo1“Meus heróis morreram de overdose
Meus inimigos estão no poder”
Cazuza

29 de abril de 2015. Quarta-feira. 16h04. Enquanto marco consultas de Fisioterapia no HC ao mesmo tempo que leio aflito as notícias dos jornais que acompanhavam lance a lance os acontecimentos no Centro Cívico, meu celular apita e a mensagem é assustadora e traz um pedido quase impossível: “Cara, tomei um tiro. Tô no Cajuru. Mas tá ok. Tranquiliza o pessoal”.

Nos minutos seguintes, o diálogo segue. Tento cumprir a missão de tranquilizar “o pessoal”; aproveito também para falar com a mãe e a irmã de nosso personagem. Logo após me contar detalhes do ferimento, ele começa a perguntar  sobre o que acontecia do lado de dentro da ALEP: “Votaram? Vão votar?”. Por fim, a conclusão: “O Richa conseguiu o 30 de agosto que queria”.

Assim que posso, corro para a praça Nossa Senhora de Salete. Nunca havia sido tão torturante ter que cumprir minhas horas de trabalho no Hospital de Clínicas. Depois de passar a noite de 28 para 29 de abril acampado na praça, de ter ajudado a carregar um abastecimento de caixas de água logo pela manhã do dia 29 (junto uma turma muito firmeza da Unicentro de Irati), de ter participado ativamente da ocupação de 12 de fevereiro, de ter enfrentado Beto Richa no debate da RPC/Globo, era incrível que eu não estivesse lá junto a tantos camaradas naquela tarde.

Read more about Meu herói … tomou um tiro na cara

Tempos de mudanças

A mudança nunca é fácil. Mas já morei em tantas casas (que nem me lembro mais) e posso dizer que um bom começo é saber para onde você está se mudando. Por exemplo, se estão derrubando um presidente, é bom saber quem assumirá o comando. Não que estivesse bom, mas é que não parece uma […]

Comando Delta 3 – Republicação

*Por Luiz Belmiro Nota do autor: No dia 27 de abril de 2015, dois dias antes do massacre promovido pelo Governador Beto Richa e seu então Secretário de Segurança Pública Fernando Franchischini contra os professores e demais servidores públicos do Estado do Paraná, publiquei no Amenidades um review de um filme que não existe, “Comando […]