O papel da mulher na engenharia

*Por Ângela Doubek

AngelabA origem da engenharia foi na área militar. Ela foi a responsável pelo aparecimento de armamentos, fortificações, estradas, pontes, canais, instrumentos. No final do século XVIII instalou-se no Brasil o curso de fortificações, artilharia, etc., na Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho. Em 1810 surgiu a Academia Real Militar e em 1831 a Academia Militar e de Marinha, com o curso de Engenheiro de Pontes e Calçadas.

Até 1946 existiam no Brasil 15 instituições de ensino de engenharia. Na década de 70 já existiam mais de 100 instituições de ensino superior com mais de 300 cursos de engenharia. Atualmente no Brasil, existem cerca de 200 instituições com mais de 600 cursos de engenharia. Hoje, mais de 200 anos após o surgimento da Engenharia no País a maioria das suas modalidades continua sendo uma ciência predominantemente masculina.

As mudanças que ocorreram na estrutura familiar mundial não foram suficientes para que os papéis de “homens e mulheres” fossem distribuídos de uma maneira mais igualitária para ambos. As responsabilidades domésticas e de educação das crianças, assim como com os idosos, ainda cabem bem mais às mulheres dos que aos homens. Em 1945 formou-se em Curitiba a primeira engenheira: Enedina Alves Marques. Mulher, negra e pobre. Formou-se com 31 anos de idade.

Enedina iniciou sua carreira como funcionária da Secretaria de Viação e Obras Públicas, onde atuou como engenheira fiscal de obras do Estado do Paraná; foi chefe de hidráulica; chefe da divisão de estatísticas; chefe do serviço de engenharia da secretaria de educação e cultura. Ela tambem atuou no levantamento topográfico da Usina Capivari Cachoeira. Deixou sua contribuição no levantamento de rios, na construção de pontes e na Usina Parigot de Souza.

Foi conquistando aos poucos o reconhecimento profissional. Com competência liderou peões, técnicos e engenheiros. Gerenciou obras e trabalhos burocráticos. Fez-se respeitar e valorizar. Enedina foi a precursora das engenheiras do Paraná! Abriu as portas para todas as que vieram no mesmo caminho.

A desigualdade de gênero foi criada culturalmente ao longo do tempo. Existem muitas piadinhas em relação à qualificação feminina. Dizem que as mulheres conseguem boas notas por serem bonitas, atraentes ou frágeis, mas nunca por seu próprio mérito.

Quando a mulher alcança um cargo mais alto, homens usam desses artifícios para diminuírem a sua condição. Da mesma forma, quando um homem comete um erro, logo é esquecido. Sendo uma mulher, o erro vai acompanhá-la constantemente.

Um dos estereótipos da função é que “mulher não se suja nem coloca a mão na massa”. Em contraponto a isso, vemos as mulheres assumindo muito mais as funções na área da construção civil, desde servente de pedreiro até mestre de obras.

As características necessárias ao desempenho da engenharia são: comprometimento, criatividade, empreendedorismo, capacidade de trabalhar em equipe, de conviver com mudanças e tomar decisões. São características ligadas diretamente ao “ser”, e não ao “saber”, ou seja, as qualidades almejadas são relacionadas à personalidade, não necessariamente à sua formação.

Para combater esse processo discriminatório, é necessário implantar ações socioeducativas, tanto com homens quanto com mulheres. Assim como essa desigualdade de gênero foi adquirida pela construção de valores ao longo da história, existe a necessidade de “desconstruir” tais atitudes e reconstruir outras novas.

A mulher é tão capaz quanto o homem. Parece um absurdo ter que citar algo assim em pleno 2016, mas ainda se faz necessário. Cada pequena conquista ainda vem acompanhadas de muitos desafios, já que muitas somos esposas e mães. Apesar da participação masculina ainda ser muito superior à feminina no setor, esta diferença está cada vez menor.

Então, qual o papel da mulher na engenharia?

O papel da mulher na engenharia é exatamente o mesmo do homem!

*Ângela Doubek é engenheira civil na Sanepar e Diretora-Secretária do SENGE-PR (Sindicato dos Engenheiros no Estado do Parana).

Esta entrada foi publicada em Opinião e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta